Make your own free website on Tripod.com

MAN SATANAXIA

Parte do Mapa de Bianco, do ano de 1436, mostrando Man Satanaxio, São Brandão e Antillia.

 

Esta outra ilha fazia parte do já referido grupo das "Insulae de Novo Reportae". O geógrafo Veneziano Domenico Mauro Negro chama-lhe "ilha de Mana", Beccaria, "Satanagio" e Bianco, "Satanaxio", o que sugere ao mesmo tempo o poder mágico do mana, a palavra man, que significa homem, e a ideia de uma mão diabólica que sai do mar.

Formaleoni (18) depois de consultar na biblioteca de São Marcos, em Veneza, o atlas de Andrea Bianco onde aparece esta ilha julga encontrar a explicação para o nome desta ilha num romance de Christoforo Armeno, intitulado "Il Pellegrinaggio di tre giovanni". Neste romance fala-se de uma certa região da India onde, todos os dias, sai uma mão das águas, que agarra os marinheiros e os arrasta para as profundezas abissais. Como esta mão só pode ser a da Satanás aí encontra Formaleoni a origem da denominação desta ilha. Mas Nordenskiold encontra outra possível origem para esta estranha denominação, acreditando que se trata de uma corrupção do nome de um santo, de "São Anastácio". Um atlas veneziano, datado de 1489 e conservado no Museu Britânico, representa em quase todas as folhas que cobrem o Atlântico a ilha de "Mam", em forma de guarda-sol. (92) Também o mapa português, conhecido no Museu Britânico debaixo da designação de "Egerton 2303" e datado de entre 1508 a 1510, mostra "Mam" ao largo de Ushant.

Os icebergs largados da calote polar podem assumir formas estranhas. É possível que alguns deles, tenham podido induzir os marinheiros a ver neles uma mão. Assim poderia ter surgido esta ilha mítica.

Talvez ligada a esta ilha esteja aquela outra representada em Ramusio como "Ilha dos Demónios", e as que Ruysch desenha como duas "Insulae Demonium" situadas entre o Labrador e a Groenlândia. A actividade vulcânica desta região pode ter explicado o seu desaparecimento e mesmo a denominação infernal. Também um mapa de 1544, atribuído por Konrad Kretschmer a Sebastian Cabot refere uma 'Y. de Demones", na mesma região, mas mais perto do Labrador do que em Ruysch.